img-feed img-feed-email

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Bullying... você sabe o que é isso?

Há alguns dias, me sinto 'tentada' a falar sobre o bullying, uma prática que conheço muito bem pois fui vítima da mesma quando criança (relatei isso no post Memórias de uma jaburú).
Pra quem não sabe, bullying é um termo inglês que caracteriza práticas de violência,física ou psicológica, e pode acontecer em qualquer lugar e com qualquer pessoa, principalmente com crianças em idade escolar. Nas práticas do bullying, grupos de crianças mais populares se empenham em humilhar, excluir e ridicularizar outros grupos e crianças, sem nenhum motivo aparente a não ser um mero jogo de poder. Surgem comportamentos agressivos como intimidação, críticas, atribuição de apelidos, calúnia,  discriminação, insultos, acusações falsas, ameaças, chantagens, grafitagens depreciativas, ataques físicos e, isolamento (este ultimo, ao meu ver, é o pior ato do bullying).
Eu me lembro bem o que sentia quando acordava para ir à escola. Eu amava estudar... mas odiava o meu colégio. Era sempre a preferida dos professores e, ao mesmo tempo, a excluída pelos colegas. Me lembro das muitas vezes que voltei chorando pra casa, e das muitas vezes que minha mãe precisou ir à escola saber os motivos de tantas lágrimas. (Hoje, reconheço que foi esse isolamento que me levou à biblioteca da escola nos intervalos, todos os dias. E, graças a tal exclusão, me apaixonei pelos livros).
Mas o bullying que sofri era pouco. Na minha escola, vi garotos amarrarem um 'colega' em uma cadeira e depilarem metade de seu bigode com cera quente! Ouvi também, o caso de um rapaz do ensino médio que colocou a cabeça de um menino da alfabetização no vaso sanitário sujo e deu descarga! E a história de uma menina que obrigou a colega a enfiar um pedaço de pau no traseiro de um gato (animal mesmo)! Me lembro de ter visto um grupo de meninas colocarem lagartixas dentro do estojo e do livro de uma menina com fobia a répteis! Nessa mesma escola, me lembro quando colocaram laxante no filtro de água e pó-de-mico no capacete de algumas motos (inclusive na minha, quando eu já tinha 16 anos).
Todas essas práticas de bullying que relatei aconteceram em escolas particulares!
Se me lembro o que sofri, posso também imaginar o que sofreram muitas outras crianças vítimas de um bullying mais agressivo e violento. As consequências psicológicas nas vítimas dessas práticas podem ser devastadoras e podem levar a criança a depressão, fobias, transtornos de ansiedade, déficit escolar e alterações de comportamento, podendo até tornarem-se agressivas no futuro.

Agora pense! Pense se você já excluiu, desmoralisou, ou criticou alguém sem nenhum motivo aparente. E que hoje, já adulto, por uma simples antipatia à primeira vista, tem feito com que outras pessoas sofram bullying.
Pense na possibilidade de seus filhos serem vítimas ou praticantes do bullying. Pense em todas as possibilidades e trabalhem isso em si mesmo, em seus filhos e amigos, afinal, não podemos ser meros expectadores do sofrimento alheio. 

Fica aí o meu desabafo, acompanhado de uma reflexão!

10 comentários:

Pequeno Falcão light disse...

Oi querida

Acertando o formato??

muito bom!

fico contente por voce ser versátil e ter textos que "batem tão bem"

Essa coisa do "terror estudantil" é uma violencia importada, né?

*Brinquei muito de salada mixta na escola,

era o máximo em matéria de "atevimento"

pode?


Beijão e sucesso!

Josy Nunes disse...

Oi,
Thai,
amiga, belo post, temos mesmo é que combater essa e todas as formas de violência. Parabéns.
Bjos no coração e fica com Deus..

Ahh!! quanto a banana, não criei nda..pesquisando despretensiosamente na net dei de cara com ela, toda sorridente. Aí amiga levei-a para o banana com farina. E a velha máxima mais uma vez, repetiu-se aqui, nada se cria tudo se copia... (pois a única coisa que fiz foi colocar os olhos nela)
valeu!!! bjo grande... E o Visual do blog ficou Show. Parabéns!!!!!!

Luciana Kotaka disse...

Olá Tati, também já passei por isso, por usar aparelho de dentes.Ufa, ainda bem que não deixou marcas...eu acho. Bjks

Nani disse...

Ai Tahiana, lembro desse seu post sobre o bullying que você sofreu... chateada é pouco por saber que essas coisas aconteceram.

Bom, se passei por algo parecido foi na infância, mas nada que se compare. Na verdade eu era mais o tipo agregadora, embora não fosse nem popular nem muito sociável. Também não soube de muitas histórias assim no colégio, acho que o pessoal pegava mais leve. O problema é a falta de respeito desde cedo...

Parabéns pelo post!

Fionna ^^. disse...

Opa, na disciplina de Pesquisa I esse foi meu tema... mas foi apenas um ensaio muito bobo, sabe? não sei muito sobre o tema. Só quero dizer que adoro seu blog, mas se precisar ser mais arisca eu serei, como em sua declaração "escolas particulares". Achei um pouco determinista.. não sei, amiga. Claro, não vou dar uma de chata e criticar você, tocar nesse assunto é importante, mas algumas coisas a gente pode reproduzir sem saber.

Também sofri um pouco com bullyng. É o preço por ser diferente. Muito triste saber que a escola reproduz, esquece de tornar seus alunos criticos, formadores de opinião. Normas e mais normas, e o reforço das praticas de discriminação, desde láaaa nos fundamentos do programa pedagogico ate o comportamento dos professores. E o assunto rende, dependendo do ponto de vista, o foco ainda poderia ser essa sociedade individualista e ista e ista...

Ufa, uma otima noite, Muitos beijos, trocamos mais ideias depois..

Hefestos disse...

Eu também já passei por isso.
A respeito disso há um poema do Mario Quintana que descreve o que eu senti e a consequência disso em mim:

"Da primeira vez que me assassinaram
Perdi o jeito de sorrir que eu tinha...
Depois, de cada vez que me mataram.
Foram levando qualquer coisa minha..."
´
Foi como eu me senti. Ser humilhado. É como se lhe assassinassem. Você nunca será mais o mesmo depois disso, nunca irá sorrir do mesmo jeito.

Deijivan disse...

Olá minha querida! Obrigado pelos comentários lá no meu blog e parabéns, mais uma vez, pelo novo layout do blog!

Bem, sobre o famigerado bullying, posso dizer que tive algumas experiências no meu distante período escolar. Confesso que, infelizmente, as minhas experiências com bullying foram dubias, ou seja, eu tanto fui vítima como também causador! Sei que é lamentável dizer isto, mas naquela época, nos anos 80 do século passado, era muito difícil ser indiferente a isto! Talvez o sentimento de aceitação por parte do grupo nos estimulava a cometer atos imorais como este, mesmo quando já tinhamos sido vítimas do mesmo tipo de atitude!

A pessoa que escreveu o primeiro comentário neste post, disse que o bullying é uma violência importada. Que bobagem! Isto sempre existiu em toda parte do mundo, inclusive em nosso país! Só sendo alienado para não ter observado este tipo de atitude pelo menos alguma vez!

Não sei como bullying funciona em escolas públicas, pois tive a sorte de frequentar apenas escolas particulares, mas acredito que a frequencia e a violência empregada nesta prática sejam as mesmas em qualquer ambiente escolar.

Então o que se pode fazer? Infelizmente nada! E não estou sendo pessimista ou cético, mas acontece que o bullying é uma tradição no universo estudantil mais forte que os famosos "trotes", outra forma de bullying própria do ambiente universitário.

Não acredito que implementos de educação ou conscientização possam extinguir esta manifestação tão corriqueira, simplesmente por se tratar de uma ação natural entre indivíduos que fazem parte de um mesmo grupo social. A hostilidade manifestada por um grupo à um determinado indivíduo que difere de forma comportamental, racial ou física, é antropológicamente histórica! Vivenciamos isto desde que o mundo é mundo!

Infelizmente, cabe àquele que é hostilizado se impor de alguma forma e mostrar superioridade sobre os demais, afim de que as agressões não o afete psicológicamente. Sei que falar é muito fácil, mas não consigo ver outra saída para esta questão!

Repito: educar e conscientizar não são medidas que asseguram a extinção desta prática! Você pode falar mil vezes com o seu filho ou com alguma criança ou adolescente sobre o mal que o bullying pode causar, que de nada adiantará, pois em algum momento ele estará exposto em alguma situação que o impelirá a cometer este ato ou ser vítima do mesmo!

O único conforto que se pode ter em relação a isto é que, na maior parte das vezes, o bullying é uma prática cretina que sobrevive apenas durante o período estudantil, se tornando algo ineficaz ou inexpressivel no ambiente social normal de um adulto.

Valter Montani disse...

Tahiana, agora sim!

Fiquei aliviado em saber que se referia àqueles ditados machistas, nenhum é da minha autoria, apenas postei para dar uma apimentada na discussão. Eu tenho profundo respeito pelas mulheres.
Quanto a seu post sobre bullying eu tenho um filho de 12 anos e sei bem o que isso provoca numa criança.
Por ele ser mais baixo que os garotos e um pouco mais fortinho sofre todo tipo de provocação. Mas uma coisa você pode conprovar se pesquisar. As pessoas de sucesso em sua maioria foram crianças que sofreram preconceito e gozação em sua infância. bjs e bom dia!

Erica Vittorazzi disse...

Pois é, horrível mesmo esta situação.
Os valores familiares precisam urgentemente serem resgatados!!!


Beijos

Anônimo disse...

This will astonish you!

ZEITGEIST: ADDENDUM

http://www.zeitgeistmovie.com/

Money as debt

http://www.youtube.com/watch?v=vVkFb26u9g8

project camelot magnetic motor

http://www.youtube.com/watch?v=hkgyY47duCM

AMAZING!!

OZONATED WATER: CURE ANYTHING!

http://www.stoptherobbery.com/

Monatomic Gold

http://monatomicgold.co.uk/index.php

Como você está em relação às eleições?

Visitantes do Idiotizando


Contador Grátis Desde 18/01/2010

Top comentaristas!

widget UsuárioCompulsivo Quanto mais você comentar aqui no Idiotizando mais chances você terá de ter o seu blog divulgado nessa lista! Comente já!

SEGUIDORES

Minha lista de blogs

IDIOTICAMENTE FALANDO:

Frase da semana: "Simplesmente sei que tudo o que sinto é muito mais meu do que todo o saber que me cerca!"> (Tahiana Andrade)
 
▲ TOPO ▲